Durval de Souza

Durval de Souza

DURVAL DE SOUZA [1928 Matão/SP — 1982 São Paulo/SP]
Durval de Souza é um dos maiores nomes de tv brasileira. Foi contrarregra, tradutor, dublador, narrador, produtor, diretor, ator dramático, humorista e comediante.

Durval de Souza, o faz-tudo da tv

Durval de Souza, o faz-tudo da tv

Começou na televisão em 1952 na TV Record, atendendo a convite de um colega que cursava com ele a Escola de Arte Dramática de São Paulo, onde ambos eram alunos de Adolfo Celli e Ziembinsky. Trabalhando inicialmente atrás das câmeras como contrarregra, ele não tardou a a passar também para a frente das lentes, tendo sido convidado a interpretar papéis dramáticos.

1954 - Durval de Souza e a apresentadora Rosa Maria

1954 – Durval de Souza e a apresentadora Rosa Maria

1956 - Durval, o contrarregra

1956 – Durval, o contrarregra

1957 - Durval de Souza no comando do programa Big Show Peixe

1957 – Durval de Souza no comando do programa Big Show Peixe

E  em 1953 Durval já recebia seu primeiro Troféu Roquette Pinto [o Oscar da tv e do rádio, na época] como revelação do ano. Ao todo foram 5 troféus Roquette Pinto: um como melhor teleator humorístico e três como melhor produtor de programas infantis.

1957 - O Estado de S. Paulo

1957 – O Estado de S. Paulo – Durval, o melhor teleator humorístico de 1956

1964 - Intervalo - Durval, o melhor produtor infantil de 63

1964 – Intervalo – Durval, o melhor produtor infantil de 63

Seu primeiro programa solo foi “Durval, o garoto-propaganda”, em 1956.1956 Durval o garoto propaganda

1957 - Durval ensaia "Durval, o garoto-propaganda" juntamente com o cantor  Luiz Vieira e o ator Gabrielo Paone

1957 – Durval ensaia “Durval, o garoto-propaganda” juntamente com o cantor Luiz Vieira e o ator Gabrielo Paone

1957 - Revista do Rádio

1957 – Revista do Rádio

Foi Durval o idealizador, produtor e diretor de um dos primeiros programas infantis: a Grande Gincana Kibon. Tendo também produzido outro famoso programa: o Pulmann Jr.

1963 - Folha de São Paulo

1963 – Folha de São Paulo

1967 Revista Intervalo

1967 Revista Intervalo

Incentivador da música como ferramenta de ensino, produziu e dirigiu nos anos 60, o Concurso de Bandas e Fanfarras entre as escolas do estado de São Paulo. Durval de Souza sempre foi muito querido por todos aqueles que com ele compartilhavam os bastidores e as cenas na televisão.

O ator Gabrielo Paone, o diretor Nilton Travesso, Durval de Souza e Pimentinha (o ator Valter Seyssel)

O ator Gabrielo Paone, o diretor Nilton Travesso, Durval de Souza e Pimentinha (o ator Valter Seyssel)

A maquiadora Ana e Durval de Souza

A maquiadora Ana e Durval de Souza

Eclético, Durval de Souza era capaz de interpretar um personagem dramático como Lampião  e com a mesma desenvoltura interpretar um lorde inglês ou um delicado costureiro francês. 

1956 - Durval de Souza em papel dramático

1956 – Durval de Souza em papel dramático

1956 - Durval em "550 Km atrás"

1956 – Durval em “550 Km atrás

Durval de Souza estrelando em "My Darling"

Durval de Souza estrelando em “My Darling”

Durval de Souza em "Histórias que a vida escreve"

Durval de Souza em “Histórias que a vida escreve”

Durval de souza em "A Cidadela"

Durval de souza em “A Cidadela”

Durval no elenco do programam Première

Durval no elenco do programam Première

Durval de Souza podia ser um ator sério...

Durval de Souza podia ser um personagem dramático…

... um personagem infantil como um mágico...

… um personagem infantil como um mágico…

... um personagem humorístico como o próprio diabo...

… um personagem humorístico como o próprio diabo…

... ou até mesmo fazer uma imitação da amiga Hebe Camargo.

… ou até mesmo fazer uma imitação da amiga Hebe Camargo.

Participou, ora como “escada” ora como comediante, dos shows de maior sucesso nos anos 60/70. Na TV Record : O Abre-Alas, Show 713, Papai Sabe Nada (com Renato Côrte Real), Grande Show União (com Consuelo Leandro), Grande Show Rivo, Horário Nobrega, Chico Anysio Show, Praça da Alegria e Família Trapo, onde substituiu Jô Soares, fazendo o mordomo francês Bernard Taillan. Na TV Tupi: Bacará 76, Domingo Alegre e Os Trapalhões com quem migrou para a TV Globo, sendo esse o seu último trabalho. 

Durval em três momentos diferentes da comédia

Durval em três momentos diferentes da comédia

1958 - Grande Otelo e Durval de Souza

1958 – Grande Otelo e Durval de Souza

1962 - Pimentinha, Selmy  Oliveira e Durval de Souza - Show 713

1962 – Pimentinha, Selmy Oliveira e Durval – Show 713

1963 - Cosneulo Leandro e Durval - Grande Show União

1963 – Consuelo Leandro e Durval – Grande Show União

1965 - Rony Rios, Durval e Waldecyr Monteiro

1965 – Rony Rios, Durval e Waldecyr Monteiro

1965 - Durval e Renato Côrte Real em Papai Sabe Nada

1965 – Durval e Renato Côrte Real em Papai Sabe Nada

Durval de Souza no elenco de Chico Anysio Show

Durval de Souza no elenco de Chico Anysio Show

Durval de Souza em "Horário Nobre...ga" com Manoel de Nóbrega

Durval de Souza em “Horário Nobre…ga” com Manoel de Nóbrega

Durval integrou o elenco de "CEará Contra 007", a primeira novela humorística da tv

Durval integrou o elenco de “CEará Contra 007″, a primeira novela humorística da tv

Mas foi sua performance com Hitler a sua marca registrada. Durval fazia um Hitler melhor que o próprio Hitler. Tanto é que ao participar da novela humorística Quem Bate, em 1965, apesar de ser uma imitação numa comédia, o jardim de sua casa várias vezes amanheceu bombardeada por ovos lançados por telespectadores, numa espécie de vingança contra o ditador austríaco.Capa 149 - Zeloni e Durval 2 Quem Bate - Renato Côrte Real - Zeloni - Durval

Foto histórica cedida pela filha Regina de Souza: Adoniran Barboca, Renato Côrte Real e Durval de Souza

Foto histórica cedida pela filha Regina de Souza: Adoniran Barbosa, Renato Côrte Real e Durval de Souza

Existe na televisão uma cena folclórica com várias versões apontando vários protagonistas. Mas, mais de uma fonte, me confirmou ter sido Durval de Souza o primeiro protagonista. Quando em 1952 Durval começou a trabalhar na TV Record, ali o diretor-geral era ninguém menos que Dr Paulo Machado de Carvalho. Um dia, o telefone tocou na sala de produção onde o atarefado Durval trabalhava. Ele atende:
— Alô?
— Por favor, eu preciso falar com fulano de tal.
— Ele não está no momento.
— Então, por favor, vá procura-lo.
— Agora não posso. Tou muito ocupado.
— Mas eu preciso falar urgente com ele.
— Liga mais tarde, que agora não dá.
— Escuta, você sabe quem está falando aqui?
— Não. Quem é?
— Aqui é o Dr Paulo Machado de Carvalho.
— Ah, Dr. Paulo? E o senhor sabe quem tá falando aqui?
— Não.
— Graças a Deus! – E Durval desligou rapidinho o telefone.
Clique no player e assista a uma cena do especial A Dama das Camélias, TV Record, 1967. Dela participam Jorge Loredo [o eterno Zé Bonitinho], Hebe Camargo, Zilda Cardoso e Durval da Souza. Destaque para Durval de Souza, interpretando o afeminado Chamonix.


 

 

 

FacebookTwitterGoogle+