Esta noite se improvisa

Blota Jr.

Em Abril de 1967 a Equipe A da TV Record [equipe de criação da emissora formada por Antônio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta; Nilton Travesso, Raul Duarte e Manoel Carlos (que viria a se tornar novelista)] revolveu criar um programa de competição musical. O termo game-show ainda não havia chegado ainda ao Brasil. A ideia era simples, assim como eram os chamados jogos de salão. Diante de um grupo de seis participantes, o apresentador diria uma palavra e aquele que primeira se soubesse e/ou cantasse uma música que contivesse a palavra marcaria ponto. Ao final do programa, o participante que marcasse mais pontos sairia como vencedor. Simples assim. Mas seria necessário fazer um piloto do programa antes de colocá-lo no ar. O problema é que não havia espaço físico nem tempo disponível para isso. A solução, então, foi fazer um teste dentro de um programa já existente. O programa escolhido foi o da Hebe Camargo, que ia ao ar aos domingos à noite.

Hebe em seu programa na TV Record

Hebe em seu programa na TV Record

Seria um quadro extra colocado no programa. Desse quadro extra, sob o comando da própria Hebe, participaram alguns cantores e cantoras pertencentes ao cast da emissora. Dentre eles estavam, entre outros, Nara Leão e Wilson Simonal.

Nara Leão ao lado de Chico Buarque

Nara Leão ao lado de Chico Buarque

Hebe explicou o quadro e logo depois foi logo dizendo “A palavra é…. OSSO”. Silêncio total no palco. Nenhum dos participantes se lembrava de alguma música que tivesse a palavra osso. Hebe, com toda a sua experiência, dirigiu-se ao público perguntando se alguém sabia. UM senhor levantou a mão e Hebe o desafiou a subir ao palco e cantar. O homem não vacilou. Subiu e cantou o trecho de uma música: “Se não tem água / eu furo um poço / Se não tem carne / eu compro um osso / e ponho na sopa / e deixo andar”. Aplausos e risos. Aplausos pela memória musical. Risos porque tratava-se da canção “Opinião”, que havia sido grava por… Nara Leão. Apesar do percalço, ficou a para todos a impressão de que o quadro havia tido boa aceitação. A Equipe A resolveu, então, arriscar e na primeira quinta-feira de Maio, dia 04, às 20 horas tinha início “Esta Noite Se Improvisa” sob o comando de Blota Jr.

Revista Intervalo

Revista Intervalo

Gravado no Teatro Paramount, em São Paulo, o programa caiu logo na aceitação do público paulista. Prova está que em apenas um mês o programa já estava entre os mais vistos e em dois meses estava quase no topo da maior audiência.1967-07 IBOPE Improvisa Com o sucesso em São Paulo, não tardou para que “Esta Noite Se Improvisa” passasse a ser exibido, em vídeo-tape, no Rio de Janeiro (por incrível que pareça) pela TV Tupi, Canal 6.1967-07 Improvisa na TV Rio blota O programa oferecia um grande prêmio ao vencedor da noite: um carro Gordini zero quilômetro.gordinigordini 21967-07 Improvisa Chico e Simonal Gordini O programa tinha uma dinâmica fácil. Os competidores ficavam sentados em frente a uma pequena instante, cada uma com um botão. Assim que o apresentador Blota Jr. dissesse a palavra a ser adivinhada, aquele que apertasse primeiro o botão [cuja indicação era conferida através de uma luz] tinha o direito de cantar a música que contivesse a palavra. Era um exercício de memória musical, agilidade e reflexo. A pontuação era interessante: 1 ponto para quem apenas dissesse o nome da música que continha a apalavra indicada. 3 pontos para quem cantasse apenas o trecho que se encontra a tal palavra. E 6 pontos para quem cantasse a música (desde que certa) inteira. Porém, se a música indicada ou cantada não contivesse a música, o participante seria penalizado com, respectivamente -1, -3 e -6 pontos.  A apresentação sempre marcante de Blota Jr., que fazia um delicioso suspense no momento de dizer a palavra, fez com que o programa ficasse conhecido popularmente por “A palavra é…” O programa teve várias feras, também chamados de “papa-Gordini”. Dentre eles estão Wilson Simonal, Chico Buarque de Hollanda, Caetano Velloso, Carlos Imperial, Aracy de Almeida e Aquiles, integrante do grupo vocal MPB-4.

Wilson Simonal

Wilson Simonal

Aquiles [o 3º da esq. p/ dir.] ao lado de Chico Buarque

Carlos IMperial

Carlos Imperial

Aracy de Almeida

Aracy de Almeida

Caetano Veloso com o grupo argentino Beat Boys

Caetano Veloso com o grupo argentino Beat Boys

Pode-se dizer que Caetano Velloso ficou conhecido pelo público do eixo Rio-São Paulo por causa do programa. Da mesma forma, pode-se dizer que Carlos Imperial, malandramente, era super comentado em São Paulo ao agitar a plateia, alegando que sua sorte se devia ao fato de ser simpatizante do Corinthians.

Imperial e seu lado corintiano

Imperial e seu lado corintiano

Um dos momentos mais inusitados do programam foi quando Chico Buarque apertou o botão e teve o direito de dizer/cantar qual era a música que continha a palavra. Chico foi ao microfone e cantou uma bonita canção. Ao final, o resultado: – 6 pontos. Vaias do público. Mas aí veio a explicação: por não se lembrar de nenhuma música que continha a palavra [ele apertara o botão apenas no impulso de ser o primeiro e pensar depois], Chico resolveu a questão cantando uma música que ainda não existia, pois ele a compusera ali naquela hora, de puro improviso.

Chico levou o improviso a sério e se deu mal

Chico levou o improviso a sério e se deu mal

Com o passar o do tempo, percebendo que o programa começava a perder o fôlego, a Equipe A da TV Record, resolveu oxigenar a atração dividindo-a em duas partes. Numa primeira parta o já famoso “A palavra é…” e numa segunda parte o conhecido Jogo da Mímica, que logo passou a ser chamado de “Esta Noite Se Mimica”. Na parte da mímica a brincadeira era entre times formado por três integrantes. Neste segmento, reinou o trio formado pela cantora Lílian (da dupla Leno e Lílian) mais seu marido e seu cunhado, Márcio e Ronald, que formavam a dupla Os Vips. Lílian depois saiu dando espaço a Ronnie Von. Também o trio formado por Jô Soares, Renata Fronzi e Zeloni (por vezes substituído por Miele) também foi vencedor várias vezes. 1968-05 Improvisa Família TrapoE como nem todo cantor era bom de mímica, às vezes havia reclamação dos seus parceiros de time. Como se pode confirmar abaixo a reclasmação de Hebe Camargo a respeito de Agnaldo Rayol.1968-03 Improvisa Mímica“Esta Noite Se Improvisa” permaneceu no ar entre Maio de 1967 e Junho de 1968 sempre com altíssima audiência tanto em São Paulo como no Rio de Janeiro.

O Estado de S. Paulo - 1968

O Estado de S. Paulo – 1968

Infelizmente não existem arquivos nem de áudio nem de vídeo. Mas há um depoimento extremamente bem-humorado de Chico Buarque de Hollanda a respeito do programa que está no documentário Uma Noite em 67, dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil, produzido em 2010. Clique no player e assista Chico Buarque falando de forma muita divertida sobre Esta Noite Se Improvisa.   

FacebookTwitterGoogle+